Montanhismo vira moda no Rio de Janeiro

Conhecida mundialmente como a Cidade Maravilhosa, o Rio de Janeiro tem mostrado que não se resume apenas aos pontos turísticos tradicionais como Corcovado, Bondinho, Maracanã e Copacabana. Atualmente, quem visita a capital fluminense certamente irá escutar alguma indicação rumo às montanhas. E os números não nos deixam enganar, o aumento do número de praticantes no esporte chega a 300% em 2012.

Com uma formação rochosa privilegiada e com picos de visual deslumbrantes, o Rio se tornou um ponto tradicional para a prática de trilhas e escaladas. Muito disso se deve à integração entre a cidade e a maior floresta urbana do mundo, a Floresta da Tijuca.

Muitas pessoas se enganam ao achar que estas atividades ao ar livre são passatempo de aventureiros. Essas duas modalidades de exercícios, a trilha e a escalada, fazem parte de um esporte denominado montanhismo.

(Foto: Pedro Rocha) Floresta da Tijuca reúne diversos tipos de trilhas e escaladas.

Pedra da Gávea, Morro da Urca, Pico da Tijuca, Pedra Bonita e Bico do Papagaio. Para muitos cariocas, e até visitantes, esses nomes já são naturalmente reconhecidos. O diretor-técnico do CEB (Centro Excursionista Brasileiro), Horacio Ragucci, fala sobre o crescimento do esporte e, consequentemente, praticantes no Rio:

- É algo natural, mais no boca a boca, pois não há propagandas espalhadas por aí. São pessoas que praticam a primeira vez e ficam encantadas. O encantamento acaba passando de uma pessoa para outra, aumentando cada vez mais o número de adeptos do esporte. O Rio é deslumbrante e a vista no final de cada percurso é recompensadora.

A modelo Camila Carvalho de 23 anos confirma a teoria citada pelo diretor do CEB. Segundo ela, todos deveriam fazer a experiência um dia, pois é uma ótima indicação.

- Resolvi fazer a trilha porque tinha curiosidade para saber como era a vista da Pedra da Gávea. Fui com um amigo e achei difícil a subida pois não tenho muita resistência física. Mas todo esforço foi válido, a vista do local é linda, valeu muito a pena. – relata Camila.

Criado em uma família tradicionalmente de montanhistas, Guilherme Guedes é publicitário e também guia nas horas vagas da semana. Guedes aproveita e passa algumas dicas para quem pretende fazer pela primeira vez escalada ou trilha pelas paisagens do Rio de Janeiro.

(Foto: Pedro Rocha) Bico do Papagaio é o segundo ponto mais alto da Floresta da Tijuca

- Vá com um guia experiente. Existem muitas ‘pegadinhas’ na floresta que podem ter um desfecho ruim. Tenha certeza de que seu condicionamento físico está de acordo com aquilo que você está se dispondo a fazer. Leve sempre bastante água, algum alimento calórico e cereais para repor as energias. Evite pegar alguma aventura no horário noturno para não se deparar com surpresas desagradáveis. Faça tudo com 100% de segurança. – diz.

Para melhor esclarecimento aos leitores, a GR Company conseguiu falar com Felipe Edney, proprietário da empresa A5 Escalada, companhia voltada para o montanhismo e toda infraestrutura, inclusive indoor. Felipe passa um pouco da experiência e alerta aos aventureiros de plantão.

- Acidentes acontecem, a melhor maneira de evita-los é atuar na prevenção. No caso de caminhadas é importante estar bem informado sobre o local aonde vai, levar sempre equipamentos para imprevistos como chuva e frio. Sempre procure caminhar em grupos de no mínimo 2 ou 3 pessoas. Também é de suma importância deixar informações em casa, com familiares sobre onde vai e a que horas volta. – explica.

Como citado anteriormente, todo esporte de aventura carrega uma dose de perigo. A importância de ter embasamento e preparo para a realização desses esportes é realmente vital. No ano de 2012 acompanhamos diversas tragédias devido à falta de preparo ou informação de alguns visitantes sobre montanhas do Rio.

Para quem está em busca desse aprendizado mais qualificado e duradouro existem diversos cursos de montanhismo pela cidade.

- Hoje temos dois tipos de formação para quem quer começar a explorar as montanhas do Rio: o CBM (Curso Básico de Montanhismo) e o CBE (Curso Básico de Escalada). Ambos são reconhecidos pela FEMERJ, Federação de Esportes de Montanha do Estado do Rio de Janeiro. Para iniciantes, temos boas caminhadas na Floresta da Tijuca, como a trilha do Pico da Tijuca. – comenta Felipe Edney.

Conheça as características de algumas das principais trilhas do Rio de Janeiro:

Parque Nacional da Tijuca

Considerada a maior floresta urbana do mundo com 3900 hectares, a floresta da Tijuca é dividida em quatro setores e oferece trilhas de todos os níveis:

(Foto: Thamiriz Mendes) No topo dos percursos é possível ver diferentes lugares do Rio de Janeiro

- Pedra da Gávea

Percurso mais longo e mais difícil da floresta. Demora-se de 2h a 4h para se completar o percurso. Quase no final da trilha, encontramos a famosa escalada da carrasqueira, que é um paredão de pedra com aproximadamente 30 metros de altura, após isso chega-se ao cume com quase 1000m do nível do mar e uma das vistas mais belas da cidade maravilhosa. A Pedra é um dos destinos mais conhecidos do Rio e do mundo, porém é o ponto onde ocorrem mais acidentes justamente pela falta de preparo e condicionamento dos aventureiros. É aconselhável que se faça outras trilhas antes de se aventurar por esse caminho.

- Bico do Papagaio

Opção considerada difícil. Exige condicionamento e preparação física. Com cerca de 1h 30 de trilha é possível percorrer os 2300m do segundo maior pico da Floresta e chegar a quase 1000m acima do nível do mar.

- Morro da Cocanha

Com visual recompensador, o Morro da Coconha é outro trajeto de nível moderado/difícil. Leva-se 1 hora para percorrer os 2400m até chegar ao ponto mais alto com 970m de altura.
- Cachoeira das Almas

Trecho curto, são  cerca de 30 minutos para alcançar o final recompensador.

- Pico da Tijuca

Percurso feito em media de 1 hora e 15 minutos com  2800m de extensão. É o ponto mais alto do Parque Nacional e de onde há vista para toda a cidade maravilhosa. Alguns trechos de difícil acesso, portanto é recomendado preparo e resistência para essa trilha.

- Pico Tijuca Mirim ou Tijuquinha

Ponto alternativo do Pico da Tijuca. Localizado antes de chegar ao cume do pico mais alto, o Tijuquinha é uma alternativa para quem deseja ter uma visão de outro ponto da cidade do Rio, a Zona Norte.

- Pedra do Conde

Percurso que exige as duas habilidades do montanhismo, já que é necessário a escalada de uma pedra com cerca de 2,5m para chegar ao cume com mais de 800 metros de altura depois de 1 hora de trilha pela floresta.

Horto - Cachoeira do Chuveiro:

Os aventureiros podem desfrutar de uma bela queda d’água após um percurso considerado leve, de apenas 15 minutos. A Cachoeira do Chuveiro tem fluxo de água intenso e cai entre dois paredões de rocha. No caminho até lá, no entanto, é precisa ter cuidado. É necessário bastante esforço físico para escalar as pedras e chegar ao local.

Morro da Urca:

A trilha do Morro da Urca pode ser concluída em 1h30. O caminho não é fácil e já começa com uma subida íngreme e cansativa, após uma caminhada pela Pista Cláudio Coutinho, na Praia Vermelha. Mas o esforço vale a pena, o percurso termina com um visual incrível da Baía de Guanabara, Enseada de Botafogo e Niterói.

 

Compartilhe

Esta entrada foi publicada em Esportes e marcada com a tag , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.