Dúvidas e curiosidades de um iniciante no tiro esportivo

O início no tiro prático não é dos mais simples, mas também não é nenhum bicho de sete cabeças. Novos atiradores, com frequência, se assustam ao perguntar o que é preciso para começar no esporte. Porém, provavelmente, o maior problema seja justamente a falta de informação. É verdade que o iniciante no tiro esportivo leva um tempo até se habilitar e estar apto para competir, mas esse período de espera é, na maioria das vezes, o mesmo que alguém sem experiência precisa para aprender o mínimo necessário para iniciar neste esporte.

- Um iniciante demora, em média, seis meses para conseguir a documentação necessária para começar a atirar com armas de calibre permitido. Este tempo varia de acordo com o estado em que a pessoa reside. Durante o período de espera, o novo atirador deve procurar um clube ou instrutor para fazer um curso preparatório. A Confederação Brasileira de Tiro Prático capacita instrutores para oferecer cursos de iniciação ao esporte – comenta José Luiz Medeiros, presidente da Federação Espírito Santense de Tiro Prático.

(Foto: Site da FTPPE) Curso Black Badge credencia instrutores a darem cursos para iniciantes

O tiro prático exige muito dos atletas, principalmente no quesito segurança. O esporte tem regras rígidas que precisam ser estudadas com atenção e compreendidas completamente. Os mais experientes, inclusive, procuram orientar os novatos sobre estas questões. Como diz a cultura popular, nada que é bom vem sem sacrifício. Mas o esforço para começar a atirar é recompensado pelo esporte apaixonante que os iniciantes encontram, com um ambiente único que valoriza, principalmente, o respeito e a cooperação.

- Por ser um esporte que lida diretamente com armas de fogo, é normal que tenha uma legislação mais rígida. É uma etapa chata pela qual os iniciantes precisam passar, mas necessária. Vale a pena, porque o esporte é incrível. E todo este processo faz com que os atletas criem um respeito pelas regras e se tornem disciplinados tanto no esporte quanto na vida – afirma o atleta Guga Ribas.

Primeiros passos

Assim como ocorre com qualquer outra atividade, o primeiro passo é estudar um pouco sobre o assunto. Nesta fase inclui-se uma visita a um clube de tiro, pois só assistindo uma competição e entrando em contato com o ambiente de um local de provas é possível entender o esporte. Somente assim o iniciante poderá ter certeza de que quer entrar para o universo do tiro prático.

O iniciante também deve experimentar. Afinal, como se pode começar em um esporte sem nunca o ter praticado? Antes de passar por todo processo burocrático, deve-se ter atirado pelo menos uma vez. Alguns clubes e atletas oferecem cursos com as próprias armas, o que possibilita alguém que não tenha o equipamento a treinar. Em várias regiões dos Estados Unidos, por exemplo, isso é muito comum. Qualquer pessoa pode ir até um clube, alugar uma arma e passar o dia atirando sem possuir nenhuma habilitação. Mas sempre orientado de maneira correta por um profissional.

(Foto: Arquivo Pessoal) Pista do Campeonato Brasileiro de 2011, em Medianeira, no Paraná

Nos clubes, além de poder ver de perto como o esporte funciona, o iniciante também tem contato com atletas mais experientes, a quem podem pedir conselhos sobre qual é a melhor maneira para começar. Participar de competições organizadas por clubes com armas de calibre permitido pode ser um bom caminho para começar. No entanto, provas organizadas pelas federações e confederação são exclusivas dos atiradores filiados. Logo o iniciante terá que passar por este processo para poder competir e participar do ranking nacional.

Para começar a competir o interessado terá que se registrar junto ao Exército Brasileiro como atirador. Assim, poderá comprar armas tanto de calibre permitido quanto restrito. Uma vez registrado no exército, o atirador também poderá solicitar a emissão de Guias de Tráfego, com as quais estará apto a transportar armas e munições para os estandes de tiro e locais de competição. Vale ressaltar que entende-se como trânsito de armas a não possibilidade do dono do equipamento fazer uso imediato, ou seja, a arma precisa estar em um local de difícil acesso e separada das munições.

Toda essa documentação pode ser adquirida diretamente pelo interessado, ou através de um despachante. Esses contatos podem ser encontrados nos próprios clubes ou pela indicação de atletas mais experientes.

Como comprar a primeira arma

Existem várias opções de armas competitivas, tanto nacionais quanto importadas. Elas podem ser divididas em dois grupos. As de calibre permitido – até 380 – e as de calibre restrito. No tiro prático existem duas divisões – Ligth e Revólver – que possibilitam que os atletas atirem com armas do primeiro grupo. Para as de calibre restrito existem quatro possibilidades: as divisões Open, Standard, Production e Classic.

- É fundamental que o atleta já saiba em qual divisão irá competir antes de comprar qualquer arma. Após um ano participando de competições com armas de calibre permitido, já se pode ter uma ideia sobre todas as modalidades e qual o custo para competir em cada uma delas. Na divisão Open, por exemplo, gasta-se entre sete e dez mil reais em uma arma, podendo ir até dezesseis mil reais em uma usada – diz Medeiros.

(Foto: Arquivo Pessoal) Além das armas, o tiro prático exige a utilização de equipamentos acessórios

Existe mais um adendo em relação a quem está habilitado a comprar uma arma: a idade. Além dos requisitos necessários para poder obter um certificado de atirador, como ter residência fixa e não estar respondendo a inquéritos policiais, o atirador precisa atingir a maioridade no esporte.

- A lei não permite que atiradores menores de 25 anos tenham uma arma em seu nome. Ela precisa estar no nome de outro atirador. No caso dos atletas menores de 18 anos, os responsáveis legais precisam pedir uma autorização judicial. O documento tem validade de dois anos – comenta o atirador Roberto Neto, de 16 anos.

Após a escolha da arma é necessário entrar com um pedido de compra junto ao exército, onde deverão constar todos os detalhes da arma e o local de aquisição. Algumas exigências precisarão ser cumpridas nesta etapa, entre elas passar no exame psicotécnico e pela avaliação de um instrutor de tiro credenciado. Outro detalhe importante existe em relação às importações de produtos controlados. Elas dependem de uma licença prévia do Exército, com validade de seis meses a partir da aprovação do requerimento.

Como começar a competir

Um atirador pode optar por se associar a um clube e competir apenas naquele local. Outra opção é filiar-se à federação de seu estado. Deste modo irá participar do ranking estadual e poderá participar das provas organizadas pela sua federação. Mas, caso queira competir em mais de um local, a melhor opção é confederar-se. Assim, terá maior facilidade para conseguir as guias de tráfego, além de poder participar de provas em todo o país.

(Foto: Arquivo Pessoal) Competidores se tornam amigos durante as provas de tiro prático

Vale ressaltar a obrigatoriedade de estar sempre em posse das Guias de Tráfego para o transporte de armas e munições. Caso tenha mais de uma arma, é necessária uma guia para cada uma delas. Com o documento o atirador também ganha o direito de transportar até 500 munições de cada arma. Em casos especiais, este número pode aumentar.

Manutenção do equipamento e aquisição de munições

Alguns clubes de tiro prático fornecem munição para treinamento no local – sempre no calibre correspondente à arma registrada e na quantidade estabelecida por lei – até que o atirador consiga uma autorização para recarga. É importante ressaltar que a atividade de recarga de armas de fogo não é um procedimento simples e que pode causar sérios danos, caso feita de maneira precipitada.

Mas, com o tempo o atirador percebe que fabricar a própria munição é bem mais barato. Quando chegar esta hora, será preciso entrar com um requerimento para o apostilamento da atividade de recarga. Após o pedido ser autorizado, o ideal é fazer um curso e pedir orientação a atiradores mais experientes antes de adquirir todo o equipamento necessário. Muitos clubes de tiro dão cursos de recarga.

- De início, um novo atirador tem um gasto alto para adquirir todo o equipamento necessário. O ideal é optar pela compra de equipamentos de boa qualidade desde o início. Apesar de serem mais caros, duram mais tempo. Logo, o gasto com manutenção é menor – comenta Medeiros.

(Foto: Arquivo Pessoal) Atletas de tiro prático precisam traçar estratégias antes de cada pista

Desafios

Burocracia, regras rígidas e preço dos equipamentos são todos obstáculos que podem ser ultrapassados com facilidade. Talvez o maior desafio a ser enfrentado pelos atiradores esportivos seja o preconceito. No Brasil, armas de fogo estão diretamente associadas à violência e isso acaba afastando muitas pessoas do esporte.

Ao assistir a uma competição de tiro, no entanto, percebe-se que o cuidado dos atletas e a precaução são altíssimos e que o esporte nada tem a ver com violência. Os atletas de tiro prático estão entre os mais disciplinados entre todas as modalidades esportivas. Assistir a uma competição de tiro prático também é empolgante. O raciocínio rápido, as habilidades, a percepção dos detalhes e as estratégias são alguns dos ingredientes que tornam o esporte uma atividade emocionante.

A parte burocrática sempre vai existir, talvez no início de forma um pouco mais maçante. Mas, uma certeza os iniciantes podem ter. Eles ficarão satisfeitos com o ambiente que encontrarão tanto nos clubes quanto nas competições de tiro prático. Valores raros de serem encontrados hoje na sociedade ainda se mantêm neste esporte que é, por muitos, criticado. São os casos de solidariedade, respeito, dedicação e, sobretudo, paixão pela prática esportiva.

Compartilhe

Esta entrada foi publicada em Matérias especiais e marcada com a tag , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.